Notícia publicada no jornal PÚBLICO a 22/Janeiro/2004 - Secção Local Porto

Granito com Milhões de Anos e Outros Voos
Quinta-feira, 22 de Janeiro de 2004

A zona de implementação do projecto foi alvo de um estudo pormenorizado. "Embora não exista, na área de estudo, nenhuma Área Classificada, Sítio ou Zona de Conservação ou Protecção definida na legislação portuguesa ou comunitária, o estuário de rio Douro, embora bastante intervencionado detém ainda uma relevante importância ecológica, sendo a Baía de S. Paio a zona mais sensível", nota o resumo "não técnico" do Estudo de Impacte Ambiental.

Apesar de não se encontrar inserida em nenhum regime de protecção especial, a área de intervenção (obra e frente de obra a sul) está classificada no PDM como "área de salvaguarda estrita", onde se incluem zonas de Reserva Ecológica Nacional (neste caso, pertencente ao Domínio Público Marítimo) e Reserva Agrícola Nacional. Sobre as características específicas do local, o EIA repara que "a passagem do domínio estuarino para o domínio oceânico é assegurada pela barra, entrada no estuário com uma posição e uma largura que tem variado muito ao longo do tempo". Ciclicamente, a barra alarga durante os períodos de maior caudal do rio Douro, tornando a diminuir de secção durante o Verão devido ao crescimento do Cabedelo.

Se olharmos mais atentamente para a margem direita do rio Douro, alertam-nos que estamos num território onde os granitos dominam. "A diversidade e a importância científica, cultural e didáctica de algumas destas rochas, com idades compreendidas entre os 290 milhões e os 560 milhões de anos, explicam a classificação do litoral entre o Castelo do Queijo e a Foz do Douro com Património Geológico Municipal", refere o EIA. Regressando a Vila Nova de Gaia e levantando o olhar do chão, encontram-se os voos na sensível Baía de S. Paio pois: "É aqui que se encontra também a zona de maior interesse ao nível das aves com as aves marinhas a alimentarem-se nos bancos de areia a descoberto na maré baixa, como gaivotas, garças-reais, gaivotas-de-patas-amarelas, guinchos, andorinhas-do-mar-comum, borrelhos-de-coleira-interrompida e maçaricos-das-rochas". Esperemos que a suas rotas e rumos não se alterem.

BI

Previsão de início de obra: Maio/Junho 2004

Prazo de execução de 28 meses de obra

Consórcio Construtor: Somague/Irmãos Cavaco S.A.

Investimento: 25 milhões de euros

EIA foi realizado de Março a Agosto de 2003 (período de discussão pública terminou no passado dia 15)

Regressar à página anterior